Merry kissmyass: dicas pra fugir do clima natalino

Ah, o Natal! Aquela época que desperta o Grinch dentro de todos nós. Se você não aguenta mais, não tema, jovem padawan, esse post é pra você! Aqui não tem jingle bells, decor e clima natalino ou canção da Simone – apenas dicas escolhidas a dedo pra você fugir do fuzuê, ficar de bad e essas coisas que a gente ama.

1. Assistir Life of Brian (1979)

Na dúvida, vá de Monty Python. E o que melhor que Life of Brian para des-celebrar o Natal? Os reis do humor britânico (e mundial) vêm com esse clássico cinematográfico que narra a história de Brian, pobre coitado que nasce no mesmo dia de Jesus, é confundido com o Messias e acaba tendo de passar por altas aventuras por isso. Tudo com aquela pitada de ironia e crítica como só esses caras incríveis sabem fazer. O filme é divertidíssimo e traz a icônica canção “Always look on the bright side of life” *faz o assovio*.

2. Ou quem sabe White Christmas

Tá, pera! Não era post anti-Natal? Ainda é. Acontece que esse especial natalino de Black Mirror tem nada daquele clima festivo. Muito pelo contrário. É um episódio perfeito pra ficar naquela bad, com socos na boca do estômago e tudo mais. BEM BLACK MIRROR, SABE? Está disponível na Netflix e não tem nem desculpinha pra tu deixar de assistir. Eu sei que eu vou.

3. Ouvir a lista de melhores discos do ano do 36

Dezembro é o mês do 36 eleger os melhores discos do ano. Tem disco pra tudo que é gosto, pop fafora, rock, r&b, emo, música gringa e brazuca. Dá uma conferida aqui.

4. Ir ao cinema assistir Rogue One

O mais novo lançamento da franquia Star Wars é uma ótima pedida pra o final de semana do Natal. Este só não é o filme do ano porque o Denis Villeneuve decidiu humilhar todo mundo com seu sci-fi A Chegada. Mas, voltando pra Star Wars, Rogue One é um “episódio independente” da saga, não fazendo parte das trilogias e se encaixando entre as prequels e a trilogia clássica – e que encaixe! A gente sai do cinema louco pra assistir Uma Nova Esperança. São muitos feels envolvidos. O filme talvez não agrade tanto pessoas novas ou não tão empolgadas com este universo, mas é um colírio pros olhos dos fãs tamanho tanto fan service que existe. Na verdade, é a própria definição de fan service. E não digo isso de forma depreciativa, muito pelo contrário. Rogue One supera todas as expectativas e entrega ao público mais jovem de rever personagens icônicos na telona, um deles, inclusive, em uma cena que vai te deixar *screaming internally*. Os personagens são cativantes, a trilha sonora do Michael Giacchino não deixa a desejar em nada comparada ao trabalho de John Williams, as cenas são bem montadas e é um filme visualmente lindo – com destaque para a sequência na praia, que é uma das mais bonitas de todos oito filmes de Star Wars já lançados.

5. Maratonar Lovesick e/ou Please Like Me na Netflix

Amo bingewatching e vou protegê-lo! E o que melhor que os holidays pra começar uma série nova ou finalizar aquela que tu enrola há tempos? A Netflix está cheia de opções para quem quer fugir da ceia em família – e agora ainda tem a opção offline!!! Separei duas séries de 20~30 minutos com temporadas curtinhas pra tu se divertir e se sentir abraçado.

Descobri Lovesick (ou Scrotal Recall) graças a um banner dela que a Netflix esfregou na minha cara por dias. Como reconheci uma das protagonistas de Misfits decidi por colocar na listinha e começá-la foi uma das coisas mais certas que fiz em 2016. A série é britânica e rodada na Escócia, acompanhando Dylan (Johnny Flynn), Evie (Antonia Thomas) e Luke Daniel Ings e sua premissa é bem simples: Dylan descobre que tem clamídia e precisa avisar todas as suas antigas parceiras sexuais da doença, para que elas também façam o teste – e é através desses momentos back and forth que a história é contada. Tá, não é tão simples assim e tem muita coisa envolvida, mas eu deixo pra tu descobrir. Tu já vai estar conquistado no primeiro episódio, tenha certeza disso. A primeira temporada foi exibida pelo Channel 4 (famoso por diversas séries, entre elas The IT CrowdBlack Mirror) em 2014 e os direitos foram comprados pela Netflix, que produziu uma segunda temporada em 2016.

Fun fact (?): todos os episódios recebem o nome das respectivas mulheres da vida do Dylan.

Please Like Me acabou de entrar no catálogo, mas já conquistou vários novos fãs. A série é australiana e já tem quatro temporadas lançadas – as três primeiras estão disponíveis no serviço de streaming. Lançada em 2013 pela ABC, a série foi criada pelo protagonista Josh Thomas. Na trama, acompanhamos a vida de Josh, a descoberta da sua homossexualidade – depois que sua namorada termina com ele – e como isso as pessoas ao seu redor reagem ao fato. Este é apenas o pontapé inicial e a série é bem mais que isso. Seus pais são separados, sua mãe é depressiva, há drama entre os amigos etc. A série é uma comédia que vai instantaneamente conquistar um lugar no seu coração e o tema de abertura vai ficar na sua cabeça e te fazer dançar junto com os atores.

Fun fact (!): todos os episódios têm nome de comidas/bebidas ou estão relacionados a isso.

6. Ler Sopa de Salsicha

Sopa de Salsicha, assinada pelo gaúcho Eduardo Medeiros, é o melhor quadrinho que eu li em 2016. Extremamente pessoal, a graphic novel narra a história autobiográfica do artista, quase como uma crônica, a medida em que acompanhamos a jornada dele tentando enfrentar suas crises existenciais e criativas: as mudanças de emprego, a mudança de estado e a mudança dele mesmo, por que não. Sempre acompanhado da sua esposa Aline, a baixinha, que é a principal fonte de força e motivação. Porém, não pense nem por um momento que o gibi beira o cheesy ou é mais uma daquelas histórias de superação. Tanto o texto quanto a arte do Eduardo fazem com que tu se divirta e faça parte das (des)venturas e se identifique em muitos momentos. E digo mais: é uma ótima leitura para mentes conturbadas em busca de um norte ou apenas de saber que não tá fácil pra ninguém.

img_0043

7. Jogar Portal

Além de ser um clássico, que maneira melhor de passar o Natal que isolado num laboratório resolvendo puzzles mortais – com uma máquina de portal – de uma inteligência artificial psicopata e debochada? Os dois jogos da franquia estão com um ótimo descontinho – R$3,99 e R$6,99 na Steam. Portal 2 ainda conta com o atrativo de ter a opção de multiplayer. Inclusive, a plataforma de joguíneos está com Winter Sale e tem promoções imperdíveis no catálogo. Confere alguns joguinhos que valem à pena:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s